Íris Stefanelli acessando o ‘Vai Desmaiar’

 

De estudante de enfermagem a apresentadora de TV. Nossa entrevistada de hoje fez história no Big Brother Brasil 7 e atualmente tem uma carreira profissional consolidada: Íris Stefanelli.

Naturalmente paulista mas mineira de coração, Siri, como ficou conhecida na mídia, respondeu carinhosamente algumas de nossas perguntas e relembra sua fase pós-BBB, confiram:

VAI DESMAIAR: Quais as diferenças da Siri do Big Brother Brasil para os dias de hoje?

ÍRIS STEFANELLI: Atualmente tenho uma segurança no trabalho. Uma forma melhor de ver a vida, com cobrança, mas não uma cobrança doentia. Levo a vida muito mais leve, mas não deixo de fazer o meu trabalho direito.

VD: Você lançou tendência no “BBB” ao usar uma flor no cabelo. Se espantou quando saiu do programa ao ver várias pessoas usando algo que você utilizava durante o reality?

IS: Achei maravilhoso! Minha flor era azul, a cor da sorte ainda.

VD: Mesmo não sendo finalista do “BBB” você alcançou um enorme sucesso. O que acha que fez o público se identificar tanto com você?

IS: Acho que ser verdadeira, mostrar aquilo que você sente de verdade. Até um pouco de inocência da vida, eu mesma me emociono quando vejo alguns vídeos, poucos que vi, falo: “Não acredito que eu era assim tão simples!”.

VD: Sentiu muita diferença em sair de uma vida rural e morar em uma cidade grande?

IS: Nossa… Totalmente! De 0 (zero) a 100 (cem).

VD: Mantém contato com algum ex-participante da sua edição do BBB?

IS: Não, não tenho. Cada um mora em um lugar.

VD: Hoje em dia você é muito elegante. Acha que ganhou estilo com o passar do tempo? Usou alguma ajuda especializada?

IS: Ai, tudo! Eu assinei revista, sites, segui blogs e hoje eu também posso investir mais em roupa. Atualmente eu compro todas as minhas roupas, antigamente usava da TV, o que o figurinista pegava. Hoje não pego nada emprestado pois tenho mais uma estabilidade para me manter, porque não é barato.

VD: Você se formou em artes cênicas e fez algumas peças teatrais. Pretende fazer algum filme ou novela? Está em seus planos investir na carreira de atriz?

IS: Eu nunca tentei nada assim. Pedi uma vez talvez para um diretor ver algo sobre filmes mas nunca fui atrás não, até porque eu estou segura como repórter e não parti ainda para esse lado (de atuar).

VD: Você foi capa de aniversário da Playboy em 2007, se precisasse posaria nua novamente?

IS: Depende desse “precisar”, hoje não mais.

VD: Você já entrevistou várias celebridades pelo TV Fama, quem você mais gostou de entrevistar?

IS: Ai eu amo entrevistar Claudinha Leitte! A Maria Casadevall é uma graça! Já entrevistei a Angélica, foi só uma vez mas ela foi de uma gentileza também, a Xuxa, eu dei uma fora e ela ainda me acolheu. O Daniel me deu uma santa, a Hebe seguiu de mãos dadas comigo, o Leonardo sempre que eu vejo ele é aquela alegria, brinca mais que tudo, são muitas pessoas especiais que eu entrevisto e me dão uma atenção enorme! A Ivete também foi uma graça. Nossa! O sotaque dela… Lembro quando ela falou “Como você é mais bonita pessoalmente!”. A Eliana também fez um tanto de elogio, nossa. Fui bem elogiada entre o pessoal. Roberto Carlos me colocou para dentro de um evento, me deu uma rosa, falou comigo. Se eu for lembrar aqui, todo mundo me trata bem, pessoas marcantes, marcantes mesmo. Só não entrevistei o Cauã Reymond até hoje e nem a “Valdirene” (Tatá Werneck) que eu adoro. Adoro aquela menina e não entrevistei.

VD: O que mais gosta de fazer quando tem tempo livre?

IS: Eu gosto de ficar deitada descansando ou ir pra casa da minha mãe passear.

VD: O que tem a dizer aos seus admiradores que te acompanham desde 2007?

IS: Muito carinho, muito amor (esse apoio) que é uma força, muito obrigada, que Deus ilumine todos eles que continuem me dando essa força enorme, eu amo eles e tenho eles mais do que fãs, são amigos.

VD: Rapidinhas:

Um sonho a realizar: Ter um programa meu.
Maior sonho realizado: Com certeza essa vida de hoje, carro, apartamento, plano de saúde, vida estável.
Música que adoro: Da Fergie, “Big Girls D’ont Cry”, minha música!
Não vivo sem: Meu carro. Não ando a pé de jeito nenhum! (risos)
No guarda-roupa não pode faltar: Nossa, um blazer preto, porque aqui em São Paulo um dia tá frio, outro dia tá mais frio e no dia seguinte tá mais ou menos, vai um blazer preto.

Fonte: Vai Desmaiar